IPORANGA, CIDADE TOMBADA OU DEMOLIDA?


Tombado em 1979, o centro histórico de Iporanga vem sofrendo um processo de destruição, com raras exceções.


Conforme a opinião de alguns munícipes o referido tombamento vem contribuindo para um estado de desabamento das casas, pois sem recursos para fazer projetos de reforma ou restauro, o proprietário do imóvel fica sem alternativas para impedir que estes desabem. Por outro lado, poucas iniciativas são percebidas por parte dos órgãos oficiais no sentido de auxiliar os proprietários para que problema seja evitado.
O que vem acontecendo com o centro histórico de Iporanga é um fato lamentável, pois, já observamos vários desabamentos de telhado e até de casas inteiras, e pouco se sabe de políticas públicas para impedir tais desabamentos ou para promover a recuperação dessas edificações.
A última edificação a passar pelo processo de desabamento foi a casa localizada próxima as escadarias do Porto do Ribeirão (veja as fotos). Casa que já abrigou ponto de comercio e é conjugada com a que funcionava a Coletoria.
O problema está sendo ignorado e tragédias anunciadas ocorrerão  se nada for feito, como por exemplo: Telhado da Igreja Matriz Católica que segundo autoridades da referida Igreja, necessita urgente de reformas.Os telhados do casarão do Mauro e da antiga loja do Tanasio (esquina da Pedro Silva com a Praça Luiz Nestlehner) também requerem atenção.
Dois bons exemplos que poderiam ser seguidos são as reformas da lanchonete Casarão (centro) e do antigo sobrado onde funcionavam a prefeitura, o correio e a biblioteca, na rua Pedro Silva
Será que já não esta na hora de rever os conceitos e passar a respeitar mais aquilo que é memória viva da história do nosso município?

Casarão do Mauro no centro da cidade...Risco de desabamento.

Casarão Gastronomia e Arte ( propriedade particular )...Exemplo de restauração no centro da cidade.

Antigo Casarão, depois de longos anos em completo abandono...Reconstruído pela Prefeitura, por enquanto o único..

Por Paulo Sérgio Furquim e Nilton F da Silva - 06/01/2012



Comentários